quarta-feira, 26 de março de 2014

Era uma vez #5

Era uma vez, uma princesa,  a mesma princesa, aquela que por muitas e muitas vezes já falei... Não é uma princesa qualquer... É a minha, o meu bem mais precioso! Aquela que só por existir me faz querer ser ainda mais e melhor... Sempre!
 
Esta fase é maravilhosa, uma verdadeira delícia! Ter uma pessoa em ponto pequeno é demais... Fala tudo, opina, é pirosona (como a mãe) e de ideias fixas (como o pai, claro está)! Sabe o que quer e o que não lhe faz falta, tem dias não e pela forma como acorda vemos logo o seu humor... Mas é doce, muito doce... Gosta de colo, mimos, beijos e abraços... Pula em cima da cama, sobe a tudo e mais alguma coisa, não pode ver nada quieto e ultimamente diverte-se ao máximo a fazer moche à mãe e ao pai (e olhem que não fui eu que ensinei...) Adora passear, ver coisas novas e imaginem?! De ir às compras, principalmente ao supermercado, onde aprende imensos nomes novos, e amplia sobretudo os seus conhecimentos no ramo dos vegetais e das frutas, e no seu top de novidades está a rúcula, o espinafre, a courgete ou o pepino... Nomes que adora repetir, fazendo-me olhar para ela com enorme orgulho, ao ver a menina em que se está a tornar!
 
Mas, para além das infindáveis coisas fantásticas existem as outras, aquelas, menos fantásticas... E esta fase (entre os dois e os três anos, pelos vistos) é exemplar no que se refere a birras... Não é que sejam desmedidas, mas mesmo assim são mais do que as que gostaríamos (zero birras seria um número confortável). Porque raio as crianças se lembram sempre de embirrar com coisas sem sentido? E olhem que até sou bastante condescendente... Tenho para mim como teoria que, existem coisas que têm mesmo que ser feitas e como tal existem batalhas que têm que ser mesmo travadas, no entanto, existem outras tantas, pelas quais não precisamos de comprar uma guerra. É verdade que tem de ir para a escola todos os dias, e quanto a isso nada podemos fazer (não há alternativa possível), agora se leva vestida a camisola verde, amarela ou azul, não me importa, deixo que ela escolha, que seja ela a ter o poder nesta tarefa. 

E se surge uma birra, descobri esta semana, que ela pode ser facilmente resolvida com um bocadinho de colo, um abraço apertado e um beijinho gostoso! Keep calm and give an hug :)

sexta-feira, 14 de março de 2014

Saudade

Odeio este sentimento... Se já antes não era grande fã de sentir este aperto no coração, agora com a existência da Pipokinha é HORRÍVEL, INSUPORTÁVEL...

Volta e meia digo ao marido "Temos que combinar qualquer coisinha a dois" e depois quando a coisa se concretiza, ando chochinha por estar longe da filhota... Ontem foi particularmente difícil... Hoje será com certeza mais fácil! Até porque em terra de calor, sol e praia a vida tem outro brilho! E afinal não são assim tantos dias...

Ontem foi assim... Quase à chegada!

Já com os pés assentes na terra...

segunda-feira, 3 de março de 2014